Homestay e Airbnb + desconto!

Quem acompanha o blog sabe que eu me mudei (de novo) em fevereiro. No apartamento tem um quarto single vago, coloquei ele no Airbnb e no Homestay, como vaga temporaria e tem sido uma experiencia bacana! Voce pode usar esses sites para anunciar uma vaga na sua casa ou para reservar sua estadia em qualquer cidade! Muito mais confortavel que hostel e mais barato que hotel. Veja os descontos que voce pode ganhar no final do post!

Continuar lendo

Passeando na Irlanda: Belleek Castle

Não acredito que não tinha falado desse castelo ainda! Conheci em Novembro de 2015, porque estava indo passar o final de semana em Charlestown, Co. Mayo, e fui procurar o que tinha pra visitar ali por perto.

Adoro visitar castelos (é uma coisa tão diferente pra quem viveu no Brasil a vida toda) então aproveitei pra reservar um tour atraves do site oficial. Foi uma pena que minha camera estava descarregada e eu tirei fotos com o cel, passei pro Face e agora quando fui coloca-las aqui, aqualidade esta pessima! 😦

12313550_880991272008345_4724507671122777387_n

História

O castelo foi construído entre 1825 e 1831, encomendado por Sir Arthur Francis Knox-Gore. A mansão foi projetada pelo arquiteto John Benjamin Keanes e os Knox-Gores viveram em Belleek até o início da década de 1940.

Marshall Doran, um oficial da marinha mercante e um ávido colecionador de fósseis e armaduras medievais, adquiriu a propriedade em 1961, restaurou e abriu-a como um hotel em 1970. Alguns dos quartos são decorados em estilo do sec. 19, enquanto que a maior parte design interior tem um toque medieval e náutico. Hoje, o castelo é propriedade da Mayo Trust e gerido pelo filho de Marshall, Paul Doran e Ms. Maya Nikolaeva.

Tour

O Hotel abriga o Museu Belleek Castle & Coleção Doran Marshall, e é possivel fazer um tour guiado, as 11:00 ou 14:00, valor 10€ por adulto.Nos meses de verão é melhor reservar com antecedência. Como fomos em Novembro, não tinha mais ningué m no tour então fomos só nós dois! 🙂

O Belleek Castle tour inclui uma explicação sobre as origens do Castelo e da história de seus antigos proprietários, a família Knox-Gore, o Earls de Arran. Você verá salas privadas de jantar, decorados em estilo romântico opulento, bem como o Medieval Banquet Hall, o Spanish Armada Bar e o deck Tween. O destaque do passeio será a Coleção Doran Marshall, que é uma das melhores coleções de armas e armaduras, fósseis e antiguidades na Irlanda. Você também vai ver a sala de Grace O’Malley e o último lobo caçado em Connaught.

Você também pode ir lá apenas para tomar um chá, jantar, ficar hospedado (não lembro os preços, mas não era tão caro! Considerando que qualquer hotel aqui em Dublin mesmo eu já acho caro) ou casar! ❤

Como chegar: http://www.belleekcastle.com/find.html

Guesthouse Casa Horizontal – Barcelona

Olá pessoas! Estou na Espanha pra passar uma semana com a minha tia. Agora estou numa cidade bem pequena chamada Sariñena, perto de Huesca, que por sua vez fica perto de Barcelona.

image

Nos primeiros dois dias de viagem ficamos em Barcelona, e nos hospedamos uma noite na Guesthouse Casa Horizontal, que reservei pelo Booking.com. pra começar já me espantei com os preços: hostel em Barcelona é muito barato! ! Achei diárias de 7 euros em quarto com 4 camas,  ou 6 euros com 6 camas etc… isso porque faltavam apenas alguns dias. Comparando com Dublin e Londres isso é de graça!

Continuar lendo

Hostel em Cusco: Pariwana

Quando estava planejando a viagem ao Peru e reservando os hostels, escolhi o Pariwana em Cusco por causa dos elogios que li sobre ele. No Trip Advisor ele tem uma ótima pontuação. Mesmo assim, sabemos que ao chegar lá, alguma coisa pode não sair como o planejado e o hostel pode não ser tão legal como parecia nas fotos. Se decepcionar é sempre uma possibilidade, por isso tentei não criar muita expectativa.

Mas, com o Pariwana, foi tudo ótimo! É lindo exatamente como as fotos mostravam. Os funcionários atenciosos, sempre resolviam qualquer coisa. Por exemplo, quando me dei conta que tinha esquecido o ticket para Machu Picchu, a moça imprimiu novamente pra mim.

Pariwana Hostel, Cusco

Motivos que fazem o Pariwana merecer sua escolha quando for a Cusco:  Camas confortáveis, prédio grande, sem barulho de noite, área comum com puffs e mesa de pingue-pongue, bar com bebidas, lanches e café da manhã, banheiros bons, camareira que dá uma geral no quarto todos os dias, lavanderia com preço bem acessível, uma sala para guardar as bagagens quando você for fazer algum passeio longo e ficar dias fora, uma sala com vários computadores, wi-fi grátis, mapas da cidade, boa localização perto da Plaza de Armas e Plaza San Francisco…

A reserva eu fiz pelo e-mail deles: cusco@pariwanahostel.com. E eles contam com uma agência de turismo, que resolvem o que você precisar: passagens de trem para Machu Picchu, ingresso, passagens de ônibus, passeios. O e-mail da agência é juanjose@rasgosdelperu.com.

Hostel Pariwana

Hostel Pariwana

Outros bem elogiados são o Ecopackers e o Pirwa, e os mais festeiros como Loki e Wild Rover.

Veja mais hotéis e hostels no Peru no Booking.com

Couch Surfing: o que é e como funciona

Olhando assim num primeiro momento, Couch Surfing seria… surfar no sofá?

Você pode achar esquisito caso nunca tenha ouvido falar em tal coisa. Mas no Couch Surfing é assim: você se hospeda na casa de alguém e dorme onde ela tiver espaço para te oferecer. Pode ser um sofá, uma cama extra no quarto de alguém ou um quarto só pra você. E, do mesmo modo, você pode hospedar alguém na sua casa. Como você já faz com seus parentes no fim de ano, só que com estranhos!

o que é couch surfing

Primeiro, entre no site e crie seu perfil. Agora saiba que, como eles mesmos dizem no site: não é simplesmente dormir de graça, é trocar experiências.

E já pensando nessas experiências que posso ter viajando ou recebendo viajantes, me inscrevi no site e em poucos dias recebi o primeiro pedido (couch request). Olhei o perfil e era um espanhol (ou melhor, catalão, eles preferem assim) que estaria passando em Porto Velho por 2 dias antes de seguir de barco até Manaus. Conversei com meus pais (afinal, não moro sozinha) e eles aceitaram. Respondi a mensagem do rapaz e combinamos.

O Albert chegou numa segunda-feira de junho e acabou ficando em casa por 5 dias. Foram 5 dias em que eu saí da rotina, pois pude passear na minha própria cidade como se fosse turista, além de me forçar a tentar me comunicar misturando inglês e espanhol… O mais legal em tudo é que aprendi mais que algumas palavras em espanhol e catalão, e fiquei ainda mais inspirada pra fazer o que eu realmente desejo: viajar, conhecer lugares, culturas e pessoas. Tenho certeza que fiz um amigo e que as pessoas que viajam são muito mais abertas a mundo do quem prefere ficar no mesmo lugar. Hospedar alguém quem viaja é quase como viajar um pouquinho também! Porque além de aprender um pouco sobre o lugar em que a pessoa mora, você também ouve sobre os lugares pelos quais ela já passou.

Você não é obrigado a ficar o tempo todo com a pessoa ou largar seus afazeres por causa disso, mas tenha em mente que a convivência é uma parte importante (e a mais legal) disso. Voltando ao site: Depois que as pessoas se conhecem, elas deixam referências no perfil uma da outra e isso conta pontos quando alguém foi checar o seu perfil para decidir se vai ou não hospedar você. Também dá pra digitar o nome de uma cidade, e na página dela, postar comentários ou perguntas e interagir com os outros surfers.

Sobre o seu “sofá”, você pode marcar no seu perfil se ele está disponível ou não. Deixe também uma descrição (como é a casa, se fica perto do centro, se o quarto é compartilhado com mais alguém etc).

como usar o site couchsurfing

Como escolher ou achar um couch? Bom, depois de preencher o seu perfil, colocar informações básicas e algumas fotos, pesquise na página da cidade, geralmente lá tem informações úteis, gente combinando de se encontrar, oferecendo ajuda etc. Clique no menu superior em “Your trips”, e siga as etapas para planejar: coloque a cidade e as datas, depois alguns detalhes sobre a viagem, mais alguns dados de profile e finalmente “find a host”. Ele vai te mostrar uma lista com possíveis hosts que poderão te hospedar, aí você entra em contato com algum(ns).

Se quer hospedar alguém, clique em “host” no menu superior e preencha algumas informações, como cidade e data, e ele vai mostrar uma lista de pessoas que estão indo para a sua cidade, daí você pode entrar em contato com elas. Fora isso, o site também tem a área de discussão, um fórum com vários tópicos separados por assuntos.

Enfim, eu gostei bastante do site e dessa experiência, foi divertido! Ainda não usei como “hóspede”, mas é uma opção que vou considerar nas próximas viagens. Quem tiver alguma experiência com esse tipo de hospedagem, conta pra mim!

E aí, vai se tornar um couch surfer?

Belém…

Nossa viagem pra Belém – PA (eu, Érika e Jaque) foi em outubro de 2010, mais uma prova de concurso e 3 dias de passeios pela cidade. Nunca tinha ido pro Pará, foi bom conhecer, apesar de que eu acho que não moraria em Belém. Por outro lado, é uma pena ficar poucos dias em uma cidade, porque não dá pra conhecer quase nada e a gente sai com uma eterna primeira impressão.

Belém é uma capital rica em cores, cheiros e sabores, na gastronomia, nas mangueiras que estão em quase todas as ruas, nos casarões antigos, no folclore, nos sorvetes de frutas regionais… Acho que precisava de umas 2 semanas lá pra poder sentir melhor o clima da cidade e se apaixonar por ele.

Como faz 2 anos já, isso é muito para a minha memória, então não lembro dos detalhes, endereços, nomes, nem da ordem dos passeios e em que dia fizemos o quê. Ficamos em um hotel bem no centro, na parte da cidade velha, pois o preço era bem em conta e achamos que era a melhor localização para passear. Realmente era, dava pra ir à pé para vários lugares, mas como quase todo centro de capital, é um pouco bagunçado e dá uma certa insegurança quando a noite vai chegando.

Andamos pelo centro, fomos ao mercado comprar algumas coisas pra lanchar e passeamos pela Praça da República, onde fica o Teatro da Paz foi fundado em 1878, inspirado no Teatro italiano Scalla, de Milão. Estilo neoclássico, com colunas gregas na fachada e quatro bustos no alto, representando a música, a poesia, a comédia e a tragédia. Não visitamos por dentro pois estava fechado naquele horário. Aliás demos bastante azar nesse quesito! (falta de planejamento detected)

Visitamos também a Estação das Docas, que é resultado de um projeto de restauração do antigo porto. Um complexo turístico muito bonito na orla da Baía do Guajará, com muitos restaurantes, lojas, artesanato e lembrancinhas, comida e sorvetes regionais. Almoçamos lá e depois tomamos sorvete – vários sabores eu já conhecia, mas outros nem tinha ouvido falar, apesar de morar na região Norte!

Logo ao lado fica o Ver-o-Peso, que segundo esse site é a maior feira livre da América Latina. Um contraste bem visível com a Estação das Docas! Não ficamos muito ali, então não conhecemos direito o local. Tinha muitos homens bebendo, um cheiro forte de urina no chão… Saímos dali e tentamos visitar o Mangal das Garças, mas ligamos lá de um orelhão e descobrimos que estava fechado naquele dia…

No domingo, depois da prova, fomos para o shopping (não lembro qual… por isso que agora nas viagens eu anoto TUDO!), jantamos e de novo tomamos sorvete na Cairu (dessa vez eu pedi um sabor torta de limão, maravilhoso!).  Tem várias pela cidade e até em outras, como Manaus.

No último dia inteiro na cidade, fizemos o check-out no hotel do centro e fomos para outro (decisão de última hora). Queríamos um hotel maior, que tivesse piscina, rio, alguma coisa pra fazer já que os passeios estavam quase todos fechados por ser segunda. E como dividimos em três, a diária não ficou cara. Ligamos para o hotel Beira Rio, pegamos as malas, um táxi e fomos pra lá. O hotel fica na beira do rio, como diz o nome, e o quarto com 4 camas era ótimo! Da janela avistamos a piscina, pequena, mas num ambiente super agradável, com árvores (mangueiras!), flores, sem contar no restaurante (Marulho) que fica sobre do rio.

Almoçamos peixe (filhote na brasa), arroz de tacacá, arroz branco, farofa e batata assada. O sol e o calor, como se estivessem brincando com a nossa cara, foram embora, o tempo fechou e choveu! Por sorte ela não demorou muito, o sol apareceu de novo e fomos pra piscina aproveitar nossa última tarde e triar fotos (ainda bem que o hotel estava bem vazio). De noite, jantamos no restaurante do hotel, e de manhã o café foi servido um pouquinho mais cedo porque eu tinha que ir pro aeroporto! (era longe, cheguei super atrasada lá mas consegui embarcar).

Beira Rio Hotel | Av Bernardo Sayão, 4804

Um hostel em Palermo, Buenos Aires

hostel em buenos aires

Ainda na depressão pós-viagem “Buenos Aires é linda quero morar lá”, vou começar a detalhar algumas coisas que vi por lá. Primeiro, onde fiquei: no hostel Mt Soho.

Fiquei lá de 21 a 26.09, num quarto de casal. Era pra ser sem banheiro privado, mas quando chegamos lá eles nos deram um quarto com banheiro. O preço foi R$400 e pouco para as 5 diárias. (eu e minha memória ruim, devia ter anotado!)

Localização: fica no bairro Palermo, que eu achei perfeito! A 4 ou 5 quadras das estações de metrô Plaza Itália e Scalabrini Ortiz, do Jardim Botânico na Av. Santa Fé, do Zoo de Buenos Aires, perto também do Jardim Japonês e outros pontos turísticos. Nas ruas em volta do hostel tem muitas lojas, bares, restaurantes, cafés, Starbucks, Freddo, pracinhas, enfim, adorei o bairro! Como é perto do metrô, dá pra ir pra qualquer lugar facilmente, tem muitos pontos de ônibus perto também.

O Hostel: é bom, bem bonitinho, os quartos têm temas como The Beatles, Disco, Incas. O hostel é pequeno, tem uns 6 ou 7 quartos só, o café da manhã começa 9:30. Isso foi outra coisa que não constava na reserva que fiz no Booking.com, mas quando chegamos lá, estava incluído. A equipe foi simpática e nos ajudou em tudo. Cozinha pequena, um PC com internet, wi-fi grátis em todos os ambientes.

No corredor, tem 2 banheiros pequenos e um lavado ao lado. São os banheiros dos quartos compartilhados.

O quarto: o nosso foi o The Beatles *-* com cama de casal e banheiro privativo. O banheiro era bem pequeno, mas o chuveiro era ótimo e a pia também tinha água quente.

Obs.: A úncia coisa que não foi tão legal e poderia ter atrapalhado, foi uma confusão que eles fizeram com as minhas reservas. Eu reservei pelo Booking.com com uns 2 meses de antecedência. Faltando 1 mês, mandei e-mail pro hostel confirmando a reserva, eles responderam prontamente e estava tudo ok, mas quando o Thiago chegou lá, eles não tinham reservado, por sorte o quarto masculino tinha uma vaga. Enquanto estávamos lá, um casal chegou, eles tinham feito reserva, mas não tinha quarto pra eles! Ou seja, é bom ficar bem atento, mandar e-mail várias vezes e/ou ligar lá pra confirmar sua reserva, pra não correr o risco de chegar lá e não ter vaga e ter que ir procurar outro em cima da hora. Fora isso, recomendo muito, gostei do lugar e principalmente do bairro!

 

Site: http://www.mtsoho.com.ar

Endereço: Guatemala 4612, entre Armenia e Gurruchaga.