Onde procurar quarto ou casa em Dublin

Acabei de me mudar para a quinta casa aqui em Dublin! Estou ficando expert em procurar casa e fazer mudança. Quem acaba de chegar fica meio perdido em relação a isso, então resolvi fazer um post com as dicas que acho válidas.

1 – Localização

Primeiro, você precisa decidir se quer morar no centro e não gastar com transporte ou morar longe, pagar mais barato no aluguel mas ter que andar bastante ou gastar com transporte. De todas as casas que já visitei quando estava procurando moradia, posso dizer que as casas no centro são pequenas, velhas e caras. Se você der sorte, vai encontrar um apartamento reformado, mas a maioria são antigos e com quartos pequenos. Já fora do centro, aparecem as casas maiores, com quintal e vários quartos. Que também podem ser velhas, by the way! Aqui não se constrói ou reforma muito.

Os bairros em Dublin são divididos por números, de Dublin 1 a nem sei quanto! Já morei no 1, no 7, no 8 e agora vim parar no 24! Quanto maior o número, mais longe do centrão. As áreas no centro seriam Dublin 1 ou Dublin 2. Dublin 3, 4, 6, 7, e 8 podem ser perto ou não porque são áreas grandes então depende do endereço.

2 – O que você está procurando?

Depois de decidir se a localização é realmente muito importante pra você, pense sobre o tipo de quarto e casa. Apartamento, studio, casa? Quarto compartilhado ou single? Se quer economizar, você vai ter que dividir o quarto. Se quer privacidade, pode ter um quarto só pra você, mas vai gastar mais.

FB_IMG_1454753902818

Olha essa foto que eu vi sendo anunciada no Facebook esses dias. Olha o tamanho desse quarto, pra duas pessoas. Não caberia 10% das minhas coisas aí. E o preço: 340 euros por mês. Isso era no centro ou perto do centro, não me lembro o endereço. E para comparar, eu que moro longe do centro, pago 475 por mês e tenho um apartamento de 2 quartos, dividindo apenas com uma pessoa, meu namorado!

Continuar lendo

Bagagem interline: GOL e Turkish Airlines

Um dia estava olhando o site Melhores Destinos e lendo sobre passagens, quando vi algo sobre empresas nacionais e internacionais que são parceiras, e assim te permitem levar a mesma franquia de bagagem.
image

Isso seria muito útil pra mim porque era impossível comprar passagem pra Europa saindo de Porto Velho,  era mais de R $4.000! Por isso quando comprei a minha passagem pra Dublin com a empresa Turkish, logo fui verificar e vi que a GOL era parceira. E no site estava escrito bem claro que ela honraria a mesma franquia de bagagem da minha cidade até São Paulo.

Fui no aeroporto uns dias antes e perguntei a um funcionário,  ele me disse que não podia! Que tinha que ter comprado os dois vôos juntos na mesma reserva. Em casa imprimi a página do site e ainda entrei no chat da GOL e confirmei com eles, imprimi também.

Meu vôo foi hoje, e como esperado, no aeroporto me disseram que não podia. Mostrei as folhas e tive que falar co. 3 pessoas até eles admitirem que podia sim.

No site da GOL tem a lista de empresas parceiras. Então se você for precisar disso, leve a página impressa! E assim vai poder levar em um trecho doméstico a mesma franquia internacional, ou seja, 2 malaa de até 32 kg cada, que é o comum para Europa e EUA.

Preparativos para o intercâmbio: 5 dias! Procuração e Banco

É clichê mas preciso dizer: você passa muitos anos desejando uma coisa, começa a planejar e parece que falta muito tempo, e DE REPENTE, o tempo voa e quando vê já faltam 5 dias! Hoje foi dia de cuidar da parte burocrática: fazer uma procuração e ir ao Banco ver quais providências precisa tomar.

documentos intercâmbio

Procuração

Pra começar, é importante fazer uma Procuração, pois pode acontecer algum problema aqui e alguém vai poder resolver por você, como no Banco, faculdade, trabalho, DETRAN, etc. A procuração pode ser particular (você mesmo faz e só leva no cartório para reconhecer firma) ou pública (feita pelo cartório, você só leva os dados, seu e de quem vai ser seu procurador).

Eu fiz uma procuração particular, de plenos poderes, para a minha mãe. O custo foi apenas R$9,05 para reconhecer firma e R$0,50 para abrir a firma, que eu ainda não tinha naquele cartório. Abrir firma nada mais é do que deixar sua assinatura registrada lá. No caso da procuração pública, feita pelo cartório, é bem mais cara, passa de R$100,00.

Além dessa, que dá poderes gerais, fiz também uma específica para o Banco do Brasil, pois assim a minha mãe vai poder mexer na minha conta caso precise. Isso porque a funcionária do cartório disse que os Bancos só aceitam procurações públicas, então a particular de amplos poderes que eu tinha feito não ia valer para o Banco. Essa foi uma procuração pública para bancos, e custou R$48,00. Eles fizeram lá na hora no cartório, só precisa dos seus dados, os da pessoa e os dados bancários (conta e agência).

Então resumindo: fiz duas procurações, e tirei 2 cópias autenticadas de cada uma.

Banco

Depois, fui à minha agência do Banco do Brasil e no atendimento pedi para cadastrarem a procuração. O cara demorou um tempo cadastrando e depois me disse que não deu para concluir porque a minha mãe precisava estar presente ao cadastrar a procuração, já que estava em nome dela. Então essa parte ficou pendente, ela vai ter que ir lá depois para concluir.

No Banco também habilitei meus cartões de crédito para uso no exterior. Isso foi feito no caixa eletrônico mesmo. Eu fico com o pé atrás porque quando fui para o Peru, também habilitei (mas pela internet) e chegando lá não consegui fazer nada com o cartão!

Sobre o internet banking, ele me disse que eu poderia acessar lá e não precisava habilitar nada aqui.

O que falta

– Comprar mais euros (esses dias está subindo :/)

– Concluir o processo da procuração no Banco

– Fazer o teste on line que a escola usa para nivelar os alunos

– Arrumar as malas 🙂

Remédios pra levar na viagem: Europa

Tem coisa mais chata do que ficar doente em uma viagem? Mesmo que seja só um resfriado, uma alergia ou uma dor de cabeça.  Eles podem te atrapalhar bastante.

Como eu vou ficar mais ou menos um ano fora, comprei um pequeno estoque dos remédios que mais uso pra levar. Os básicos:

image

• Dorflex – 5 cartelas com 10 comprimidos cada
• Resfenol – 2 caixas com 20 comprimidos cada
• Anticoncepcional – 4 caixas com 3 cartelas cada
• Sal de frutas Eno – 1 pote de 100g
• Naturax – 2 caixas de 20 comprimidos cada
• Intestin – 1 caixa com 12 comprimidos
• Celestamine – 1 caixa com 20 comprimidos

O Celestamine é pra alergia/rinite, sem ele eu passo muito mal dentro do avião! E os dois para o intestino é sempre bom ter quando a gente vai pra um ligar onde a comida é diferente do que estamos acostumados. Além disso acho que vou levar também band-aids (em viagem sempre ando muito e acabo com bolhas).

Esse foi o kit básico que comprei hoje. Só essa brincadeira ficou em R$ 216,00.  Mas ainda vou pesquisar mais alguns que pode ser bom levar! Se vocês tiverem alguma dica, deixa aí nos comentários e me ajuda!! Rs

Preparativos para o intercâmbio: 45 dias antes

Contagem regressiva...

Contagem regressiva…

Gente, nem parece que passou tão rápido! O último post que fiz sobre os preparativos do intercâmbio foi o de 5 meses antes. E agora já faltam menos de 2 meses. Mas para a viagem faltam apenas 32 dias, pois vou um pouco antes do curso começar.

Recapitulando pra quem não leu antes: em março vou pra Dublin, Irlanda, fazer um curso de inglês que terá duração de 6 meses, mas o visto é de 1 ano. A ansiedade já está batendo, tipo “meu deuuus tá chegando e ainda falta fazer muita coisa!”. Mas vamos ao resumo:

O que já fiz:

– Paguei o curso de inglês;

– Comprei a passagem de ida para Roma (vou ficar 10 dias lá antes de ir para Dublin);

– Comprei a passagem de ida de Roma para Dublin;

– Comprei o seguro viagem para a Europa pelo período que vou ficar em Roma (GTA Euro Assist);

– Reservei o hostel para me hospedar em Roma, o La Controra;

– Escaneei todos os meus documentos e cartões e deixei guardado no meu e-mail e no da minha mãe;

– Imprimi todos os e-tickets, a reserva e seguro;

– Estou guardando todos os documentos relativos ao intercâmbio em uma pasta (de verdade, de plástico) e no computador.

– Fiz o cartão Visa Travel Money e comecei a comprar os euros.

– Comprei um kit de malas do jeito que eu queria e numa promoção!

O que ainda falta?

– Comprar a passagem de volta de Dublin para o Brasil;

– Fazer as procurações e deixar com os meus pais;

– Ir ao banco para resolver sobre minha conta e cartões;

– Comprar mais euros;

– Fazer alguns exames médicos.

Por enquanto é isso… Volto com mais um post quando resolver mais algumas pendências!

Preparativos para o intercâmbio: 5 meses antes

Preparativos para um intercâmbio na Irlanda

Cinco meses parece muito tempo, mas quando você já tomou a decisão faz mais de um ano, parece que falta pouco e tem muita coisa pra resolver!

Estou fazendo aos poucos, mas já com essa antecedência e sempre anotando tudo para não esquecer nada. E sempre pesquisando antes sobre as opções, são elas que me angustiam, as opções! Primeiro passamos pelo desafio de escolher um país, uma cidade, sem nem conhecê-la, na maioria das vezes. E depois temos que escolher uma escola.

A escolha da Irlanda e da escola NED eu já contei [aqui].

De lá pra cá as providências que eu tomei foram:

– Paguei o curso de inglês (6 meses, com 1 ano de visto), em 5 parcelas, já quitadas;

– Comprei a passagem de ida para Roma (vou ficar 10 dias lá antes de ir para Dublin);

– Comprei a passagem de ida de Roma para Dublin;

– Comprei o seguro viagem para a Europa pelo período que vou ficar em Roma;

– Reservei o hostel para me hospedar em Roma, o La Controra;

– Escaneei todos os meus documentos e cartões e deixei guardado no meu e-mail e no da minha mãe;

– Imprimi todos os e-tickets, a reserva e seguro;

– Estou guardando todos os documentos relativos ao intercâmbio em uma pasta (de verdade, de plástico) e no computador.

O que ainda falta? Muita coisa que eu nem consigo listar tudo, mas é mais ou menos isso:

– Comprar a passagem de volta de Dublin para o Brasil;

– Fazer as procurações e deixar com os meus pais;

– Ir ao banco para resolver sobre minha conta e cartões, preciso fazer um só de débito;

– Fazer um cartão pré-pago e carregar com euros;

– COMPRAR EUROS!!

– Comprar 1 ou 2 malas (ainda não decidi de qual tamanho vou levar, por causa da viagem a Itália antes, não vou poder levar 2 malas grandes, por causa do sufoco que seria para carregá-las)

Vou tentar fazer um post a cada mês, contando sobre os preparativos, espero ajudar alguém a não esquecer de nada caso também esteja querendo fazer o mesmo!

>> Leia também: Preparativos para o intercâmbio: 45 dias antes

Dicas de planejamento: destino, roteiro e hospedagem

Dicas gerais para tirar os sonhos da cabeça e colocar no papel: como começar a planejar uma viagem – a escolha do lugar, hotéis e roteiro.

Resolvi falar hoje de uma coisa que eu gosto muito de fazer: planejar viagens. Planejamento de viagens é uma coisa que a gente vai aprendendo meio por instinto – tem que gostar, primeiramente, e depois pesquisar bastante. Não adianta comprar um guia maravilhoso com roteiros prontos, porque ele nunca vai ser 100% adequado para o seu gosto, sempre vai ter alguma coisa que você não está muito afim de visitar, e outras coisas incríveis que você pode perder, se não tiver pesquisado antes! Ainda mais se for com companhia, é preciso montar um roteiro adequado para agradar à maioria. A não ser que você não tenha tempo para pesquisar e seja rico, com dinheiro sobrando, então você pode se dar ao luxo de só escolher a cidade e pronto.

Muitas pessoas dão dicas de planejamento, eu mesma já li vários posts assim e sempre aprendo com eles, e o que vou listar aqui são os passos que eu faço geralmente, mas claro que pode variar pra cada pessoa. No meu caso, gosto, ou melhor, preciso, economizar o máximo possível e conhecer todos (ou pelo menos a maioria) dos pontos turísticos da cidade.

planejamento de viagem

Mapa de Buenos Aires

Comece analisando os seguintes pontos:

Tempo disponível x Dinheiro

Primeiro, pare e pense em quantos dias você tem disponíveis para viajar: se forem 4 dias, ou 7, ou 15, suas opções serão bem diferentes! Pode ser um final de semana na praia ou um mochilão pela América do Sul. O orçamento também é um fator importante: quanto menos dinheiro você tiver, mais vai ter que se esforçar, pra descobrir os lugares mais baratos, os ônibus, carona, albergues, e o seu tempo de viagem pode ser menor. Para saber quanto você vai gastar (uma média), primeiro pesquise as passagens, depois a hospedagem, depois o valor dos passeios pagos, separe uma grana por dia para alimentação e leve sempre um cartão ou grana extra, caso haja algum imprevisto. Veja quanto custa em média uma diária na cidade, os passes de metrô/ônibus, as refeições e os pontos turísticos.

Escolhendo o destino e comprando a passagem

Depois de pensar na distância, no seu tempo e dinheiro, escolha o lugar mais adequado para sua viagem. O ideal é começar a olhar as passagens (se for de avião) alguns meses antes, e ir monitorando os preços. Quando surgir uma promoção, compre! No blog Melhores Destinos (recomendo muito!), eles postam todos os dias as promoções de várias cias aéreas. Caso você já tenha um destino em mente, pesquise os meios disponíveis para chegar até lá. Se quiser economizar, o site Decolar tem uma ferramenta legal, você digita a partida, destino e data, ele mostra os preços, e no menu lateral esquerdo você tem a opção de cadastrar seu e-mail e ele vai te avisar quando achar passagens mais baratas para aquele trecho que você está pesquisando. E ainda tem o Skyscanner, que pesquisa em várias cias do mundo incluindo as low-cost.

Pesquisando a cidade

Para essa etapa leia bastante. Esse é o segredo. Claro, você pode sair perguntando para os amigos que já foram, mas é bem difícil que eles lembrem todos os detalhes. Eu não gosto de revistas de viagens e jornais, sempre prefiro blogs – são mais pessoais e geralmente não tem (tanta) publicidade envolvida, as pessoas são mais sinceras. O fórum Mochileiros é perfeito pra isso: você acessa a região que quiser e pode ver vários roteiros e relatos de viagens que os usuários postam lá, também dá pra fazer perguntas e tirar suas dúvidas.

Só não pode chegar lá e na sua primeira mensagem já postar “gente, quero ir pra Buenos Aires, alguém pode me mandar um roteiro, dicas e dizer quanto eu tenho que levar?”. Nãooo. Leia muito antes que com certeza você vai colher informações suficientes pra elaborar seu próprio roteiro, pelo menos um esboço, e depois os outros podem dar dicas. Se você não quer ter trabalho nenhum, vá a uma agência de viagens, compre um pacote completo e pronto.

Com isso, você vai aprender quais são os melhores bairros pra ficar, pra passear, o que você não pode deixar de ver etc. Anote também todos os pontos turísticos, informações sobre metrô, ônibus, preços…

Fique atento também se a cidade/país tem algum requisito para entrar: passaporte, vacinas, extrato bancário, seguro saúde, etc. Por exemplo: para a Bolívia, você precisa tomar vacina de febre amarela e expedir um certificado internacional feito pela ANVISA. Já para o Peru, não precisa. Para a Europa, precisa um um seguro saúde, comprovar o dinheiro e a hospedagem. Vistos: para alguns países você pode requerer o visto aqui no Brasil mesmo, outros, só quando chega lá. E por aí vai.

Escolhendo a hospedagem

Essa é a parte mais sujeita a erros, na minha opinião, justamente por se tratar disso: opinião! Você pode ler as experiências de várias pessoas sobre os Hotéis e Hostels (albergues), vai ver comentários negativos, outros positivos, o que uns acham bom, outros falam mal, e assim vai. Vasculhe o Booking, o Hostelworld e o TripAdvisor, veja a avaliação (nota final) e escolha.

Alguns sites, como o Booking, não cobram nada na hora pela reserva, você paga quando chegar lá e também pode cancelar. Escolhendo um quarto compartilhado, dá pra economizar bem. Outra maneira muito legal de se hospedar (de graça!!) é o Couch Surfing. Cadastre-se no site e diga se você pode hospedar alguém ou apenas quer hospedagem. Você vai encontrar pessoas em praticamente qualquer lugar do mundo que podem te ceder um sofá ou uma cama de graça por alguns dias, e você ainda vai poder conviver com uma cultura diferente, fazer novas amizades etc. Nesse post eu falo sobre a minha experiência com o CS e dou umas dicas gerais de como começar.

É bom no mês da viagem enviar um e-mail ao Hotel/Hostel confirmando sua reserva só pra ver se está tudo ok. Veja a localização dele no mapa da cidade e já planeje como vai chegar lá: táxi, ônibus ou à pé.

Planejando o roteiro

Essa é a parte mais trabalhosa, mas vamos lá, não desanime! Agora que já escolheu o Hotel, fica mais fácil começar a montar a programação dos dias, sempre com um mapa da cidade aberto. Para montar o roteiro dia por dia, a localização é tudo! É só olhar a listinha de lugares que quer conhecer e colocar os que ficam perto um do outro no mesmo dia. Os horários também interferem, por exemplo, em alguns países, as pessoas têm o hábito de jantar muito tarde. Verifique os feriados e os dias em que alguns locais não funcionam, como os museus.

Tem que ficar atento aos meios de transporte que irá utilizar: os táxis da rua são mais baratos que os do aeroporto, se dividir com mais pessoas é melhor. Verifique sempre antes de pegar um táxi se o preço é combinado, tabelado ou pelo taxímetro. Ônibus urbano é legal se você não estiver carregando uma mala gigante. Outra opção que eu adoro é o metrô!

Logo no primeiro ou segundo dia na cidade, você pode pegar um ônibus de City Tour, aqueles de 2 andares que passam por vários pontos turísticos e dá pra descer e subir de novo em qualquer ponto, assim você já tem uma boa noção da cidade e depois pode visitar com calma cada lugar. Veja também quais atrações você precisa comprar o ingresso antecipado pela internet ou na hora. Algumas coisas precisam ser reservadas com certa antecedência, como a Trilha Inca em Machu Picchu.

Caso no seu roteiro tenha mais de 1 cidade: pesquise qual a melhor rota entre elas: ônibus, trem, avião… Geralmente nos outros países, viajar de avião é muito mais barato que aqui no Brasil, então vale a pena procurar: use sites de busca como Decolar, Submarino Viagens e Skyscanner. Já os trens funcionam muito bem na Europa. E aqui também dá pra economizar, por exemplo: você já visitou Cusco e depois precisa ir para Arequipa. Em vez de sair de manhã, pegue um ônibus noturno, assim você vai dormindo no ônibus, chega lá de manhã e economiza uma diária. Mas, caso você priorize o conforto e queira dormir bem, viaje durante o dia – isso só não é indicado para quem tem pouco tempo e dinheiro.

Detalhes

Dinheiro: qual é a moeda do lugar que você vai visitar? Veja se compensa levar dólares e trocar lá (América Latina por exemplo), ou já leve seus ricos eurinhos para Europa. Contate o banco e habilite seu cartão de débito e crédito para saques e compras internacionais. Evite usar a função crédito, pois tem os impostos, use apenas para emergências. Considere levar um cartão tipo Visa Travel Money (tem outras bandeiras também), que basta carregar com o valor que quiser, e lá você pode sacar diretamente na moeda local, só preste atenção pois ele te cobra uma taxa a cada saque.

Mala: ou mochila? Aí depende MUITO do tipo da viagem, do lugar e do seu estilo. O ideal é sempre não levar muita coisa, pra não ficar carregando peso e poder trazer presentinhos. Eu sempre viajei com mala, mas na viagem para o Peru, usei uma mochila e gostei muito da praticidade.

Segurança: é o básico, não andar com uma plaquinha escrito “sou turista” dando sopa por aí. Muitos países que você vai visitar são bem mais seguros que o Brasil, então não crie paranóias, basta tomar cuidado com seus pertences, deixar a mala sempre com cadeado etc. A Celina Martins do blog Mala de Rodinha e Necessaire dá umas dicas ótimas de como cuidar da sua bolsa, documentos e dinheiro em viagens (amei a dica das correntinhas na bolsa!).

Sites para pesquisa:

Melhores Destinos – Dicas sobre cidades, aeroportos, cias e promoções de passagens aéreas

Mochileiros – Dicas, roteiros, relatos de viagens, tem muita coisa lá.

Clima

Couch Surfing – hospedagem na casa de pessoas pelo mundo.

*Update: a Cristiane Neres, que sempre ajuda o pessoal no fórum Mochileiros, esteve na rodoviária de Rio Branco recentemente (set/2013) e anotou alguns dados sobre ônibus e horários:

Dias de saída (quarta e sábado às 10:30 a.m)

Rio Branco à Iñapari R$ 50,00
Rio Branco à Puerto Maldonado R$ 100,00
Rio Branco à Cusco R$ 150,00
Rio Branco à Lima R$ 250,00
(Taxa de embraque R$ 1,80)

Dias de Retorno

Iñapari à Rio Branco R$ 50,00 (terça e sexta às 5:00 p.m)
Puerto Maldonado à Rio Branco R$ 100,00 (terça e sexta às 12:00 p.m)
Cusco à Rio Branco R$ 150,00 (segunda e quinta às 8:30 p.m)
Lima à rio Branco R$ 250,00 (domingo e quarta às 2:00 pm)
(Taxa de embarque R$ 1,00)

Contatos: leotur.turismo@hotmail.com
Telefones: (68) 3222-8648 / 3224-4971