Murphy’s Ice Cream

Um post rapidinho só pra falar de um lugar muito legal para tomar sorvete: Murphy’s Ice Cream, que fica na Wicklow Street.

icecream3

Eles tem sabores ”diferentes”, como Sea Salt (um dos mais populares lá) e o Brown Bread (sim, sabor pao integral, mas é muito bom!). Já tinha ido lá duas vezes e hoje fui de novo e compramos 4 potes: Sea Salt, Brown Bread, Raspberry Sorbet e Caramel Honeycomb. Todos bons, mas estou apaixonada pelo Sea Salt! É um sabor baunilha+leite+cremoso.

icecream2

Outros sabores disponíveis sao: Irish Coffee (com uísque), Toasted Oat, Dingle Gin.

E claro, eles deixam voce provar os sabores antes de decidir!

icecream1

Eles também tem sorveterias em Galway, Dingle, Killarney e nos Cliffs of Moher. Se voce passar em uma delas pra experimentar, depois me conta o que achou!

Passeios em Muscat, Omã

Olá pessoas! Vamos voltar a falar de viagem? 🙂 Continuando com os posts sobre o Oman, lugar liindo que conheci em Novembro 2016. Já falei aqui sobre imigraçao, clima e o que vestir, e agora vamos aos passeios, o que fazer em Muscat e arredores?

Antes de ir, pesquisei em vários blogs os lugares que eu poderia visitar. E tinha cada coisa linda! Uma pena que a gente nao tinha mais dinheiro, se nao teríamos ido em todos os pontos turísticos! Porque os tours privados lá nao sao muito baratos, o James esqueceu a carteira de motorista dele entao nao podíamos alugar um carro, e o casal que nos hospedou tem um bebe entao tambem nao podiam fazer passeios longos com a gente. Mas fomos nos principais pontos, relaxamos nas praias, aproveitamos o Sol e me encantei com tudo.

Em Muscat (capital):

City tour: Palacio do Sultao, Grand Mosque, Mutrak Souk, Qrum Beach

Como a casa onde ficamos era um pouco longe do centro (porém perto do aeroporto), combinamos de passar apenas um dia no centro conhecendo a cidade. Pegamos uma carona ate a Sultan Qaboos Grand Mosque. Foi interessante visitar e conhecer um pouco da religiao mulçumana, porque o que eu sabia basicamente era o que vemos na TV (ou seja, nada muito bom). O tourist office da Mesquita é uma salinha pequena com sofás, e varios homens ficam lá conversando com os turistas e explicando o que voce quiser saber, entao aproveite! Nao pule essa parte porque é uma oportunidade de perguntar o que quiser, sobre a mesquita, a cultura ou a religiao deles. Eles oferecem café, água e tamaras, além de copias do Alcorao e outros livros.

Continuar lendo

E a dieta no Intercâmbio…

Acho engraçado que o fato de sair do seu país e ir morar em um lugar diferente, com comida e cultura diferente, pode ter um impacto totalmente diferente em cada pessoa! Muita gente diz ”intercambio engorda” (eu sou desse time), já outras emagreceram ao chegar aqui. Só sei que é muito difícil tentar manter uma boa alimentaçao quando a sua rotina muda tanto.

Pra começar, voce acabou de chegar e passa os primeiros dias passeando pela cidade (anda muito), procurando casa pra dividir (anda mais ainda), primeiros dias na escola, abrindo conta no banco, acertando toda a documentaçao do visto. Nesse primeiro momento a tendencia é emagrecer, porem nos alimentamos mal, ja que nao temos uma casa fixa ainda e um cantinho pra cozinhar. E como a maioria precisa economizar, acabamos comprando lanches baratos e nada saudáveis.

chicken roll

Continuar lendo

Onde comer em Roma – Trastevere

Eu quase nunca posto sobre restaurantes aqui no blog. Isso porque quando viajo, não costumo escolher lugares pra comer, geralmente entro no que parecer bonzinho e barato, isso quando não como no McDonald´s pra economizar mesmo! Sim, não sou nada fancy! Tem gente que viaja já com uma lista de restaurantes pra visitar… eu conheci esse por acaso.

No nosso primeiro dia em Roma, estávamos no centro quando anoiteceu, já cansados de andar, e acabamos jantando ali mesmo, numa área bem turística. Não comida não foi cara, mas foi mais ou menos e nem era tão boa assim. Na segunda noite, resolvemos seguir o conselho do dono do B&B e comer no bairro Trastevere, onde ficamos hospedados.

Andando pelas ruazinhas, vimos vários restaurantes. Um na esquina nos chamou a atenção, olhamos o menu e os preços eram ótimos! Pizzas por 3 euros, massas por 5 ou 6, sobremesas por 5. Se não me engano o menu (entrada, prato principal e sobremesa custava 12 ou 13 euros). E a comida era bem saborosa, a pizza (individual) era enorme, amamos a Napoli e eu me apaixonei pela pasta all’matriciana! Ao total acho que comemos lá umas 3 ou 4 vezes!

O nome é Carlo Menta e acabamos voltando lá nos dois outros dias também! Se você for a Roma, com certeza vai visitar Trastevere, então fica a dica de restaurante com comida boa e barata.

bruschetta

Minha entrada (bruschetta) e a “entrada” dele: pizza!

carbonara

Carbonara

matricciana

Pasta all’matriciana

panna cotta

Panna cotta

tiramisu

Tiramisu

Dicas domésticas na Irlanda

Limpeza, cortes de carne, tipos de farinhas… Quem nunca morou sozinho na vida sofre um pouco quando faz intercambio (eu por exemplo). E até mesmo quem cozinha bem e já sabe se virar, pode achar um pouco dificil se adaptar porque aqui os nomes e produtos são diferentes. Então sempre temos essas duvidas: qual o creme de leite mais parecido com o nosso? Qual fermento usar ou qual queijo comprar pra fazer pão de queijo?

Essas dicas não vao vir de mim, mas da Tarsila, que é chef e jornalista e criou a pagina Cinderilha – com várias dicas otimas de como se virar aqui na Irlanda! Pra seguir a página, clique aqui.

Então vamos lá: vou colocar aqui as dicas que ela já publicou, separadas por assunto.

Continuar lendo

Cotidiano: diferenças Brasil x Irlanda

Deixando de lado a política, o governo, o idioma e as diferenças mais óbvias que separam o Brasil da Irlanda ou de qualquer país europeu, quero falar sobre as pequenas diferenças que percebo a cada dia vivido aqui. São coisas do cotidiano mesmo, que só percebemos quando chegamos e começamos a nos acostumar com um novo lugar. Pra dar uma ideia para aqueles que ainda estão vindo e estão ansiosos 🙂

Em algum lugar perto de Galway

Em algum lugar perto de Galway

Continuar lendo

A culinária no Peru

Achei que esse tema merece um post separado por dois motivos: você pode comer muito bem lá e, por outro lado, precisa tomar cuidado. Sério.

O básico

Em todos os restaurantes que fomos (experimentamos vários, raramente a gente repetia algum), a base dos pratos era: arroz, batata (papa), pouca salada e um frango, peixe ou carne. O frango (pollo) é o mais popular. Frito então, tem em toda esquina, ou “a la plancha” (grelhado). O peixe era sempre a trucha, servida geralmente frita ou grelhada. E a carne de boi (carne de res) não é o forte deles, mas o prato chamado lomo saltado é bem popular, que é carne cortada com legumes e molho.

A batata vinha geralmente frita. Salada, só algumas rodelas finas de pepino, tomate e alface. No almoço em Puerto Maldonado (que é mais perto da fronteira com o Brasil) ainda tinha feijão, mas depois não o vimos mais. Tem bastante ceviche, que é pescado cru marinado no limão ou lima, com cebola e pimenta. Beeem apimentado.

Nos almoços tipo buffet, a comida é mais farta, tem vários tipos de salada, macarrão, carnes. Mas nos centros de Cusco, Arequipa e Ollantaytambo não vimos nenhum buffet, somente nos passeios turísticos, que já tínhamos fechado o almoço no pacote com a agência (em Urubamba, no passeio do Valle Sagrado, e em Chivay, no passeio do Valle del Colca).

Tem vários restaurantes em cada quadra da cidade. Tem os de comida italiana, os tradicionais, os de comida chinesa misturada com peruana (chamada chifa), os de pizza, e os de grandes redes como Mc Donald’s, KFC, Burguer King, Starbucks. O frango frito do KFC era uma delícia, enquanto do McDonald’s não gostei. Comemos em vários tipos de restaurante, escolhíamos pela cara mesmo ou quando a gente estava morrendo de fome, entrava logo no primeiro. Em todos, a comida demorou bastante pra chegar.

Em geral, a comida não é muito diferente da nossa. Arroz, batata frita, frango, carne e peixe. E o melhor: é barato! Eu que não costumo gastar muito com comida nas viagens, sempre prefiro um lanche rápido, mas no Peru almocei e jantei todos os dias e gastava em média 20 ou 25 soles por refeição, com bebida.

Café da manhã

O café da manhã é tranquilo, tem vários tipos. Em todos os restaurantes tinha o “café americano”, que é ovos mexidos com torrada, café, suco e chocolate quente por 8 soles, o “café continental”, além de outros tipos de desayuno. Quando ficamos no hostel Pariwana, em Cusco, o café estava incluído na diária e era muito bom: leite quente e frio, água quente, café, 3 tipos de pão, manteiga e 2 tipos de geléia. Já nos outros, ou não tinha ou era muito fraquinho, mas ir tomar café na rua é bem legal, porque tem várias opções e é barato.

Uma coisa que eu achei legal lá é que o mesmo restaurante abria logo cedo e servia café da manhã, depois almoço e depois jantar, e ficava aberto o dia todo caso você quisesse comer fora de hora! Aqui no Brasil geralmente só servem almoço e jantar, e aqui em Porto Velho nem isso, alguns são só almoço ou jantar, não abrem domingo e segunda, quem dirá servir café da manhã.

Café da manhã em Ollantaytambo

Café da manhã em Ollantaytambo

Bebidas

Sobre as bebidas, a primeira coisa que deve saber: elas não são geladas. Meu pai sofreu em cada restaurante com as cervejas, elas vinham no máximo levemente frias, e isso já era gelado pra eles. No geral, eles nãos usam freezer para as bebidas, então a dica é, quando chegar ao restaurante, antes de escolher os pratos, antes mesmo de sentar, já peça ao garçom para colocarem a cerveja ou refrigerante no congelador pra você!

Depois de uns dias, você se acostuma. Já que lá é frio, não sofremos muito com isso. Logo a gente já pegava a água ou o gatorade na prateleira mesmo e bebia, andava com a garrafa o dia inteiro na mochila e ela ainda ficava “bebível”.

Das bebida tradicionais, experimentei duas: a chicha morada (tipo um suco feito com milho roxo, limão, canela, não gostei muito) e o pisco sour (álcoólica, feita com pisco, que é uma aguardente feita de uva, com suco de limão e clara de ovo). Tem o pisco puro (esse era o que o meu pai pedia, que é o mais parecido com a nossa cachaça).

O refrigerante mais famoso lá é o Inca Kola, ele é amarelo e tem gosto de chiclete, bem doce. Esse é um daqueles que só fica bom bem gelado. A cerveja de Cusco é a Cusqueña, não sou fã de cerveja, mas admito que é boa! Em Arequipa tem a Arequipeña (que, segundo a parte cervejística da viagem, não é tão boa) e não, em Puno não tem a Puñeña.

Não posso deixar de citar também o chá de coca! Tomamos várias vezes, não tem muito gosto, mas é muito bom para o mal de altitude. Não deixe de tomar assim que chegar lá! No hostel que ficamos tinha uma garrafa térmica enorme no pátio, com chá grátis a qualquer hora do dia. Serviam também em lojas e claro, nos restaurantes.

Cusqueña, Inca Kola e Pisco Sour

Cusqueña, Inca Kola e Pisco Sour

Veja as receitas: pisco sour e chicha morada.

Principais pratos

O que tinham em todos os restaurantes: Pollo a la plancha (frango grelhado), pollo crujiente/broaster (frango frito), lomo saltado (carne de boi com legumes), trucha (peixe), sopas (a mais comum parece ser de quinua). Os acompanhamentos são arroz e batata (quase sempre) e, às vezes, salada.

Como lanche, vendidos nas ruas e principalmente nos pontos turísticos, tem o “milho gigante”, cozido, com os grãos enormes, uma delícia! Eles cultivam mais de 30 tipos de milho. A banana frita e sequinha também é vendida nos saquinhos, como chips, igual aqui em Rondônia. Comemos também uma massa de batata assada com recheio de carne moída.

Em Arequipa o queso helado é bem famoso. Mas não tem nada de queijo, viu? É um sorvete de creme com canela. Compramos um bem em frente da Plaza de Armas, mas depois no Mirador de Carmem Alto experimentamos um que era mais saboroso e mais docinho.

O doces são bons, mas não me impressionaram muito, e olha que eu amo doces! Entramos uma vez em uma doceria e tinha donuts, torta de limão, alfajor (parece um biscoito grande de massa quebradiça, recheado com doce de leite e com açúcar de confeiteiro por cima, muito bom), mil folhas e outros.

Culinária peruana: frango e sopa de quinua

Macarrão com frango e milho, Sopa de quinua e queijo

trucha

Trucha a la planha e papa recheada com carne

Pollo frito do KFC e queso helado de Arequipa

Pollo frito do KFC e queso helado de Arequipa

doces peruanos

Doces e Sanduíche con papas fritas

Em Machu Picchu

Em Machu Picchu Pueblo (ou Aguas Calientes), há vários restaurantes com esses mesmos pratos. Já no sítio arqueológico propriamente dito, só há uma lanchonete e os preços são bem caros, vendem cachorro-quente e outros lanches do tipo. Para comida, tem um restaurante, mas nesse nem entrei. Aliás, nem comprei nada lá, comi os lanchinhos que levei na mochila. É proibido comer lá dentro, mas me diz como sobreviver a um dia todo de passeios, subidas, montanhas, sem comer? Eles não revistam a mochila e todo mundo leva lanche, é só guardar todo o seu lixo e não deixar nada lá. Se for comprar algo lá, compre logo na entrada, pra não ter que voltar tudo depois. No ponto de ônibus que sobe pra Machu Picchu tem vários mercadinhos. Leve bastante água, porque além da altitude, lá ainda faz bastante sol, pelo menos em agosto, saí de lá queimada.

Por que tomar cuidado

Em primeiro lugar, por causa da água: só beba água mineral (uns 3 litros por dia), refrigerante e cerveja. Suco, só se você ver sendo feito. Já tinham avisado isso, que a água lá não é tratada e pura e eles não ligam, mas mesmo assim eu bebi limonada umas duas vezes, e suco de laranja. Não sei se foi só por causa disso, ou pela comida também, mas eu passei muito mal. Metade da viagem eu passei sem conseguir comer mais nada, enjoada e vomitando muito.

Segundo: a comida é muito temperada, apimentada. É bom pegar leve, não misturar várias coisas diferentes nos restaurantes self-service e não abusar das frituras.

Terceiro: na altitude a digestão é mais lenta, então se você comer muito, vai ficar com o estômago cheio e pesado por mais tempo.

Eu simplesmente cometi esses três erros: bebi sucos, comi fritura e em um dos dias comi muito. Não façam isso!

Obs.: Pesquisando sobre as bebidas, encontrei um site bem bacana: Cultura Peruana.

Obs. 2: Quem aí também ficou sem conseguir ver frango por pelo menos um mês depois de voltar?

Mais sobre o Peru:

As estradas no Peru

Roteiro: Peru via Acre, de ônibus

Como comprar seu ingresso para Machu Picchu