Mochilão Peru #Dia 9 e #Dia 10 – Vale del Colca e Lago Titicaca

Dia 1 (quinta) Atravessando a Fronteira

Dia 2 (sexta) Cusco

Dia 3 (sábado) City Tour em Cusco

Dia 4 (domingo) Valle Sagrado

Dia 5 (segunda) Machu Picchu

Dia 6 (terça) Maras e Moray

Dia 7 (quarta) Arequipa

Dia 8 (quinta) Vale del Colca

Dia 9 (sexta) Vale del Colca – Canion e Condor

Nesse segundo dia de passeio pelo Vale del Colca, era dia de conhecer o Canion (atração principal do passeio) e ver o vôo dos Condores.

O Condor era um animal sagrado para os incas, que representa o mundo superior. Eles são enormes e podem ser vistos de um mirador.

Só que eu estava passando muito mal, então fiquei o tempo todo dentro do ônibus e não vi nada! Consegui levantar 5h, tomar banho e me arrumar, no café só tomei meia xícara de chá de camomila e fomos. O café era: pão, manteiga, geléia, saquinhos de chá e de café (Hotel Sumac Wasi, em Chivay).

Daí em diante, entramos no ônibus, eu me ajeitei e fiquei lá o dia todo! Não posso contar nada do passeio porque perdi. Não vi o Canion nem o condor!! Só bebia água e gatorade. No almoço desci, e no restaurante tomei só a sopa de entrada (paguei 10 soles, o almoço todo era 25). Depois seguimos, mais paradas, e eu tentando dormir, chegamos em Arequipa de tarde ainda. Fomos jantar no Saryris de novo, mas dessa vez não foi tão bom, a sopa foi cara e não estava gostosa. Tomei só um pouco da sopa do Chicão.

As passagens para Puno já estavam compradas para as 11 da noite. Não lembro se foi 30 ou 40 soles. E eu não estava mais com vontade de ir…

Vou deixar as fotos que o pessoal tirou desse dia:

Dia 10 (sábado) Puno e o Lago Titicaca

Depois do passeio Vale del Colca, que terminou em Arequipa, partimos de noite para conhecer mais uma cidade peruana: Puno, que fica à beira do famoso Lago Titicaca.

A viagem para Puno na noite anterior foi tranquila, fomos com a empresa Julsa. Chegamos em Puno no sábado de manhã bem cedo, mal estava amanhecendo. Logo que chegamos um cara nos abordou oferecendo os passeios, conversamos com ele pra ver os preços, mas subimos pra tomar café, e depois olhar as outras agências.

O café da manhã é no piso de cima, sentamos e eu pedi um café americano, que vinha: 2 pães de forma tostados, ovos mexidos, suco e chocolate quente, acho que foi 8 soles. Estava tudo gostoso, mas depois me arrependi de ter comido, porque eu ainda não estava bem. Depois do café eu vi na agência Sumaia Tours, e era um pouco mais caro que o do primeiro cara. Voltamos lá com ele e negociamos, o preço ficou:

Passeio isla de Uros + isla Taquille com transfer: 45 soles
Hostel Qorikancha Inn com um quarto duplo e um triplo, com banheiro privado: 25 soles cada pessoa

Fomos para o hostel, só deixamos as malas e o carro nos buscou às 7h e fomos para o porto. Lá, ficamos esperando junto com um monte de turistas, nessa parte foi meio desleixado, porque a moça falou pra gente esperar, e depois sumiu, os barcos iam lotando e saindo, chamaram mais pessoas e fomos, mas eu não sabia se aquele era o nosso barco ou eles simplesmente juntam todos ali e vão enchendo os barcos independente de agência. Enfim, mostramos nosso bilhete da agência e entramos no barco. O guia se apresentou e começamos a viagem, ele ia explicando mas eu tava bem no fundo e não entendia muita coisa.

Mais de 1h depois chegamos numa das ilhas de Uros, era menor do que eu imaginava. Eu já sabia que esse passeio seria o mais sem graça da viagem, pra mim, e foi mesmo. Essas ilhas são flutuantes, feitas de uma planta chamada totora. Cada ilha tem algumas cabaninhas feitas da mesma planta. Não se sabe se eles realmente moram lá sempre ou só vão para se apresentar aos turistas. Ficamos uns 30 ou 40 min lá, alguns foram andar no barquinho de totora quando eles convidaram, mas NÃO AVISARAM que seria cobrado 10 soles. Fiquei lá tirando fotos, ou sentada, tinha uma menininha bem brincalhona que todo mundo ficou encantada com ela. Não achei tão teatral, não tinha ninguém cantando ou dançando pros turistas, como já vi comentários.

Depois voltamos pro barco e foi mais 1h até a isla Taquille. O lago Titicaca é enorme e azul. O barco vai devagar, balançando de leve. Não sei como eu não passei mal! O barco para num porto da ilha e a gente começa a subida.. e sobe… sobe… a vista é mais linda a cada passo! Tem campos onde as pessoas cultivam (mas em agosto é seca) e animais pastando. Chegando lá em cima, tem uma igreja bem antiga e vários restaurantes. E encontramos o nosso grupo no centro e o guia foi nos levando para um restaurante, andamos mais uns 20 min, mas não tinha subida dessa vez. Chegamos ao restaurante, que é uma casa com as mesas no lado de fora, só a gente ali com o lago Titicaca em volta!

Os pratos eram trucha frita com arroz e salada ou omelete, e uma sopa de entrada, sopa + prato eram 20 soles. Eu tomei só a sopa e foi 10 soles. Estava ótima! Depois de comer tiramos mais umas fotos por ali, o bom era que estava só o nosso grupo. Depois começamos a descer… muita descida com escadas pelo outro lado da ilha, chegamos ao porto (não é aquele por onde chegamos), entramos no barco, eu fui na parte de trás apreciando a vista e o vento… mas uns 20 in depois fui pra dentro. Dormi, acordei, dormi, fui ao banheiro.. e não chegava! Ô viagem longa.. foi mais de 2h e meia. Chegamos e Puno no fim da tarde. Muito frio!! O dia mais frio da viagem.

Entramos na van e a mulher da agência (que era do nosso hostel também) estava recolhendo dinheiro do pessoal, ela ia para a rodoviária comprar as passagens para Cusco, então a gente não precisaria ir. Isso foi muito útil! Ela pegou nosso nome, o nº do passaporte e o dinheiro, foi 40 soles, saindo na manhã seguinte. A van nos deixou no hostel, fomos tomar banho e de noite saímos pra jantar, estava bem frio e foi difícil sair… A Plaza de Armas ficava a uns 3 ou 4 quarteirões. No caminho encontrei uma livraria e aproveitei, porque um amigo tinha me falado que livro é barato lá, e como eu tô aprendendo espanhol, queria comprar alguns. Comprei 4 livros pequenos, acho que 2 soles cada, um de contos de fadas, um de histórias infantis peruanas…

Na Plaza de Armas nem ficamos muito, estava frio e a gente com fome. Entramos por uma ruazinha movimentada, onde não passa carros, e tinha vários restaurantes. O garço de um que estava na porta era bem simpático e nos convenceu a entrar (porque com a gente é assim.. o primeiro garçom que joga papo a gente cai). Era o Hacienda. Tinha um forno a lenha fazendo pizzas logo na entrada, o ambiente era aconchegante, bem decorado. Pedimos massa: lasanha e espaguete. O meu estava meio sem graça, pedi um simples com molho vermelho, e não consegui comer tudo, com medo de passar mal. Meu spaguetti foi 20 soles e um refri pequeno 3 soles.

Pagamos e fomos direto pro hostel, dormir (e levantar várias vezes pra ir ao banheiro.. ainda)!! No dia seguinte íamos voltar para Cusco.

Sobre Puno: sim, é uma cidade feia como muitos dizem aqui. E fria!! Mas a isla Taquille é incrível!

Obs.: No roteiro original a gente ia de noite mesmo pra Cusco, mas resolvemos dormir lá, já que a gente estava cansado, eu um pouco mal ainda, estava frio e a gente precisava de um banho quente e cama.

No próximo post: volta para Cusco e último dia no Peru.

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s